Lajedo de Pai Mateus na Paraíba, o Nordeste além do litoral

lajedo de pai mateus

Às vezes a vida te leva para lugares que se tornam um sonho que você nem havia sonhado. Foi isso que me ocorreu durante um momento de silêncio absoluto no meio do Cariri Paraibano, num canto chamado Lajedo de Pai Mateus, enquanto nos despedíamos do rei sol de um lado e, percorrendo os olhos até o outro canto, encontrávamos com a lua surgindo como se o mundo estivesse em pleno equilíbrio e nada estivesse errado por aqui na Terra. Era um balanço perfeito, me fazendo perceber que tudo está em harmonia e que eu vivi muitas coisas que me fizeram sentir o que aquele lugar significava, com uma energia que eu sentia reverberar em todo o meu corpo, arrepiando os pelos dos meus braços e das minhas pernas, tomando conta de todo o meu corpo que explodia de felicidade e gerava reconhecimento e agradecimento à natureza em forma de lágrimas que caíam sob meu rosto. Eu já sabia, quando decidi visitar a Paraíba, de que gostaria de ver o Nordeste além do litoral. Ali a sensação era de aceitação. Que todas as uniões e separações do meu caminho estavam em consonância com a natureza. Que viver tantos lutos e lutar arduamente pela vida de minha irmã tinha uma equiparação, como também entender que eu não perdi ninguém para a morte, assim como não sou dona da vida de ninguém para manter essa pessoa viva. Que eu não pedi nada do que me aconteceu e nunca foi minha culpa o desenrolar da estrada, mas que eu tinha uma baita oportunidade de olhar além da curva e conseguir receber o maior aprendizado que a vida estava me ofertando.

E eu aceitei. Foi emocionante.

Por esse motivo, escrevo com todo o carinho do meu coração esse post sobre o Lajedo de Pai Mateus, na Paraíba que encanta turistas de todos os lugares do mundo com seu misticismo, seu campo energético e seu espaço muito do curioso.

O Lajedo ficou mega conhecido no Brasil após ser cenário da minissérie da Rede Globo “Onde Nascem os Fortes”, mas os motivos para você conhecê-lo vão muito além disso.

Permita-se e acredite no poder de onde você pisa, isso só poderá te fazer bem. Porque se você, por acaso, achar que não sentiu nada, apenas de se permitir acreditar já retornou à essência de uma criança, e isso por si só já é muita coisa. O lugar conta com muita história e cultura, não deixe de prestar atenção no que os guias contam, faz a experiência 100% melhor.

Como chegar no Lajedo de Pai Mateus

A cidade de apoio para o Lajedo é Cabaceiras e para chegar até ela já expliquei no post da cidade que você pode ver aqui. O Lajedo fica há aproximadamente 15km do centro.

Caso você esteja hospedado na cidade mas sem carro, você poderá contratar um moto-táxi para te deixar na porta do Hotel Fazenda.

O problema aqui é que os guias sempre vão acompanhando no carro dos visitantes, assim, você precisará encontrar alguma turma na qual possa se encaixar, ou seja, depender de carona de outros hóspedes.

Essa é a parte mais chatinha de não ter carro ali e, também por isso, para evitar dor de cabeça, ter contratado uma agência acabou sendo benéfico, embora eu quisesse muito ter passado uma noite na cidade de Cabaceiras. Fica para a próxima!

Caso você se hospede no Hotel que pertence ao Lajedo de Pai Mateus, já estará ali para fazer a visita no dia que quiser.

Hospedagem no Lajedo de Pai Mateus

Bom, então vamos falar sobre o Hotel Fazenda Pai Mateus. Ele é o ponto inicial da visitação, pois é ali que precisamos contratar os guias que nos acompanharão pelo Lajedo.

Tanto visitantes, quanto os hóspedes precisam pagar uma taxa de entrada no Hotel que, quando visitei, custou R$ 15,00.

Ele possui uma boa estrutura, com uma cozinha que prepara pratos bem saborosos, uma piscina para adultos, duas piscinas infantis, salão de jogos, campo de futebol, sauna e oferece inúmeras atividades ligadas à natureza. O hotel é bem charmosinho, achei lindo.

Tem dois tipos de quartos: Master ou Standard, e a diária com café da manhã não deve sair por menos de R$ 275,00 para 02 pessoas. Não é possível acampar dentro do Hotel Fazenda.

No passeio pela agência que fiz passamos pelo hotel duas vezes, a primeira para um almoço que não estava incluso no pacote. Nos deram o cardápio enquanto estávamos na estrada rumo à Cabaceiras e cada um pôde escolher o que mais lhe agradava, já sabendo dos preços (não eram absurdos) e a maioria das refeições davam para dividir com outra pessoa.

E na volta do Lajedo também paramos no hotel para um café da tarde que estava incluso no passeio da Luck Receptivo. Lembrando que, se você não viu no post de Cabaceiras, paguei R$ 179,00 nesse passeio em jul/18.

Antes de chegar no Lajedo de Pai Mateus, fizemos uma parada na Saca de Lã, onde o guia se apresentou, passou algumas informações e começou a contar algumas curiosidades sobre o loca.

  • SACA DE LÃ

Antes de partirmos para o Lajedo de Pai Mateus fizemos uma parada em um ponto excepcional, chamado Saca de Lã.

Todas as rochas que vemos hoje em dia, formavam um único bloco no passado e foi num resfriamento que ela se fraturou, quebrando primeiro vertical e depois horizontalmente em várias partes.

Tem muita gente que não acredita que foi algo natural que ocorreu, pois a tendência é que se a pedra fraturasse seria em uma fragmentação só e não bloco por bloco, daí muitos dizem que foi obra de extraterrestres. O que você acha que é mais fácil de acreditar, hein?lajedo de pai mateus

O nome se dá por lembrar fardos de algodão. É único no mundo em rocha cristalina (granito cinza) de processo geologicamente natural, em Macchu Picchu tem algo parecido mas feito por civilizações antigas e com outro tipo de rocha.

Estamos na região do Cariri, mas em termos de micro região, tudo que é interior é considerado sertão, só que se você perguntar a um sertanejo se ele mora no cariri ele vai negar, assim como se perguntar ao cariri se ele mora no sertão, também negará. A divisão, no entanto, em ordem é assim: litoral, brejo, agreste, cariri e, por último, o sertão.

A água que corre ali é rara, pois estamos em uma das cidades que menos chove no Brasil, sendo de 280 a 300 mm.

O Rio Boa Vista ou Rio Direito é considerado selvagem e possui 70 km, nascendo em Pocinhos, passando pela zona rural da cidade de Boa Vista e desaguando nas proximidades de Cabaceiras.

Desde fevereiro de 2002 esse rio estava seco, vindo a encher em abril de 2018, a maior seca de todos os tempos na história. Lembrando que seca não está associada à pobreza, inclusive muitas famílias de políticos enriquecem muito nessa época, porque quando se decreta calamidade pública não precisa de licitação, sendo assim, o caixa 2 fica mais fácil de acontecer. Grandes açudes e poços são a solução para o problema, mas o governo prefere todo ano colocar caminhão pipa, nunca resolvendo o problema, mas gerando enriquecimento para eles.

A vegetação predominante é a caatinga e de setembro a novembro são considerados os meses mais quentes do ano, com temperatura muito alta e sem chuva, ou seja, meses de seca. Já o inverno é de junho a agosto, chegando a 13 graus.

PS: não esqueçam de beber MUITA água, sério, muita!

De lá partimos efetivamente para o Lajedo.

  • LAJEDO DE PAI MATEUS

Enquanto íamos subindo, já apareciam umas formações rochosas muito peculiares que chamavam demais a atenção do grupo. No meio de alguma delas, a lua já estava toda lindona dando um olá para nós.

O guia que nos acompanhava parou em uma pedra que tinha bastante sombra em seu interior, mas que não podíamos entrar todos juntos, e começou a contar o porquê dali ser tão impactante energicamente falando e, claro, explicou quem foi Pai Mateus.

E são duas linhas de explicação para a energia do local:

  1. De três a seis mil anos, acredita-se que o lugar foi habitado pelos índios cariris e as pedras eram de ritual sagrado de passagem, sendo a pedra da foto abaixo a que morava as pessoas mais importantes da tribo, como cacique e curandeiros. Aliás, em algumas pedras conseguimos ver pinturas rupestres.

    lajedo de pai mateus
    O vento vem de leste a oeste e, inteligentemente, eles colocavam aquelas pedras para cobrir as entradas do vento que vinha ao leste.
  2. No século XVIII, aproximadamente em 1750 entrou na região um curandeiro eremita de nome Mateus, que recebeu o “título” de Pai, porque ele curava as pessoas através de oração e plantas medicinais, inclusive até em casos de incêndios recorriam ao Pai Mateus para acabar com o fogo através da reza. Pai Mateus dormia e fazia suas refeições nas pedras dali, e essa da foto acima dizem ser a casa dele.

O local é muito doido, gente. Tem pedras que possuem apenas dois pontos de apoio mega irregulares, com formas pitorescas e eu realmente não consigo entender como estão de pé.

Pedra Capacete

O Lajedo hoje é a referência de Cabaceiras e quem ajudou nisso foi a Rede Globo quando se instalou no Hotel Fazenda Pai Mateus para gravar a minissérie Do Outro Lado do Paraíso. Inclusive, fecharam o hotel e o Lajedo para as gravações e quem queria visitar naquela época, não pode.

Um dos momentos mais especiais do dia, foi aquele que iniciei o post contando para vocês: o pôr do sol no Lajedo de Pai Mateus.

O guia já havia pedido para que nesse momento sentássemos, esquecêssemos de celular e câmeras, fizéssemos silêncio e só deixássemos aquele momento invadir nossos corpos e mentes. Foi isso que fizemos e, pelo menos para mim, foi impactante, como já pontuei lá no começo.

É bem bonita a região do Lajedo e até hoje, se eu fecho os olhos e penso naquele lugar, consigo visualizá-lo por completo, dando um giro de 360º por lá. A imagem do sol se pondo e da lua se erguendo do outro lado, assimetricamente, foi de chorar.lajedo de pai mateus

Ainda mais porque todos no grupo respeitaram o silêncio, achei isso muito bonito da parte de todos. Era uma extrema comunhão, onde cada pessoa doava um pouco de si para que o outro pudesse absorver tudo que a natureza daquele local oferecia naquele momento.

Comecei e terminei de escrever esse post emocionada. Espero que possam conhecer o Lajedo e Cabaceiras, e me contem depois o que acharam.

 

 

 

 

Você pode gostar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *