2. O luto

Na madrugada em que meu pai saiu para ir ao hospital, quando liguei para a Letícia, ela disse pra eu escrever meus sentimentos, porque eu nunca fui boa em falar nada, sempre tropecei nas palavras e gaguejei muito. Já com a escrita, a minha bagunça interna sempre ficou um pouco mais organizada, dava pra me entender. E eu desabafei no texto abaixo. Preciso adiantar que tenho muitas crenças espíritas em mim, não me considero espírita, na verdade não me considero com nenhuma religião específica, se perguntar minha religião sou eu mesma que compreendo um pouco de cada religião, assim como descarto muitas teorias dessas mesmas religiões.

“Hoje me sinto zerada, ignorante! Não me adianta o entendimento de que nossa hora de ir e vir está marcada, porque agora eu só queria mudar isso! Não adianta saber que quem se foi está muito bem e continuarão cuidando de mim e dos que restaram na terra, eu quero o corpo físico, o toque. Eu quero ver, sentir, ouvir como antes…

Uma vez, precisamente 20 dias atrás, me pediram para ter força… pois bem, eu tirei toda força que poderia de dentro de mim e me portei como solicitado. Me pediram para sorrir e viver minha vida como antes, e eu com todo esforço que pude, sorri e recomecei minhas atividades. Me pediram para cuidar dos que ficaram, eu tentei… na minha opinião não consegui, mas eu juro que tentei. Hoje me pedem tudo isso e muito mais e sinceramente: VÃO PRA PUTA QUE PARIU! Pedir isso, hoje, é muito injusto, muito desumano. Eu não aguento ninguém me dizendo como tenho que ser e agir. Claro que sei que minha irmã precisa de mim, não é fácil dar a notícia à ela e ouvir o que ouvi, mas pensando bem, nossa família está mesmo sendo destruída. Eu fico me perguntando: quem será a próxima pessoa que amo que irá morrer? Eu tenho medo! Muito medo.

EU NÃO SOU FORTE e mais do que nunca sei disso. Eu só quero o colo daquela que nesta vida terrena nunca mais poderá me dar. Sem isso, eu não vejo o que vale a pena, todos os sonhos, todos os esforços não adiantam de nada. E antes que alguém possa dizer que estou sendo pessimista… estou mesmo! Perdi materialmente a pessoa que mais amo nessa vida, que apesar das longas discussões e brigas, tinha o coração sempre pronto pra me amar, sempre querendo ver o melhor de mim e me empurrando pra frente da melhor maneira possível. Fazendo esforços que ninguém pode imaginar, colocando sempre o filhos na frente de sua vida, tendo uma força que nenhum ser meramente humano alcança pra batalhar as guerras que esta vida lhe deu, ensinando (não só a arte) mas qualquer assunto da vida, estando radiante mesmo cansada, mesmo com as dificuldades no mais altíssimo grau (e essas estiveram bem presentes), mas mesmo assim lidou e driblou-as ensinando e semeando sempre esse grande amor que tinha não só pelos filhos, mas por todos que necessitavam.

Você mãe, foi e continuará sendo a imagem de MULHER PERFEITA, mãe dedicada, mulher sábia, um gênio, sempre preparada para tudo, disposta a aprender o novo, com coração puro, que tinha seus momentos de fraqueza mas superou e as lembranças serão muito mais da guerreira que foi, porque você deu muito mais do amor do que de qualquer outra coisa. Me desculpe por não realizar os seus sonhos, por não ter tido a chance de te levar para a Itália, por não ter sido uma filha perfeita, por nem ter conseguido realizar sua vontade após a morte que era ser cremada. Mas com todas as minhas inúmeras falhas nunca deixei de te amar, espero que você lembre sempre disso e possa me visitar quando quiser, mas por favor, me deixando sentir sua presença e quem sabe até te ver e conversar.

Só peço a Deus para que me dê essa força que todo mundo está me pedindo e me ajude a segurá-la e saber usá-la. Porque por enquanto, a dor é muito grande para que eu aprenda isso sozinha. Se é que sozinha eu vou aprender algo.

EU TE AMO MINHA GATONA, desculpe por tudo: meus erros, minhas palavras duras ou meus silêncios, minhas ausências e meus egoísmos. Saiba sempre que você foi muito amada e fará a maior falta do mundo que eu não queria sentir. Espero mesmo que Deus saiba o que fez, porque eu não consigo imaginar… só acho que nossa relação aqui deve ter sido firmada, porque você sempre dizia que vendo nossas relações das outras vidas como foram, ou nos resolveríamos aqui ou precisaríamos voltar.

Vai com Deus, encontre seu filho, sua mãe, seu pai, sua avó e esteja sempre na Luz! Brinque bastante com todos eles e seja feliz. É o que mais quero. ‘UM DIA A GENTE SE ENCONTRA, O MUNDO NÃO É SÓ AQUI’ tenho fé!”

O velório dela foi muito difícil, ver aquela pessoa amada ali num caixão é a pior sensação do mundo. Ainda não encontrei palavras para descrever o que era olhar minha mãe velada ali na minha frente. Hoje acho desnecessário passar por essa tortura e não consigo ficar dentro de um velório. Olhar aquela pessoa sem vida alguma, gelada, inchada, não me fez bem e talvez tenha bloqueado tudo que senti naquelas horas, porque se resgatar todo aquele sentimento, talvez não volte a me reerguer nunca mais. Acabei não acompanhando o enterro, decidi naquele dia que isso não me faria falta. Saber onde meus entes queridos estão enterrados é algo totalmente sem sentido em minha vida. Como diz uma música das antigas, as flores eu tinha que dar em vida.

 

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *